Comissárias

Mapa Aberto

O convite da Trienal de Arquitectura de Lisboa para comissariar o evento Open House de 2017 foi recebido com surpresa e entusiasmo. Para nós, arquitectas, este desafio reflete-se em desenhar ‘um mapa da cidade por dois dias’ uma espécie de mapa do tesouro da nossa cidade. Pode parecer um paradoxo a ideia de desenhar um ‘mapa efémero’ mas na realidade, um mapa é sempre efémero, fixando o território num determinado momento, neste caso, apenas um fim-de-semana em Setembro de 2017.

Os mapas de Roma de Bufalini de 1551 e o de Gianbatista Nolli de 1748, são mapas onde é possível ‘entrar nos edifícios’. Eles representam, não os edifícios pela planta da sua cobertura, como é comum, mas sim pela planta do piso térreo. Muitos destes espaços são públicos mas de acesso restrito. Quem os observa consegue ter uma percepção diferente da cidade, e sentir uma cidade mais permeável. O Open House relaciona-se com esta representação da cidade. Um mapa de uma cidade mais permeável que deixa ver espaços, na sua maioria não acessíveis ao público, um mapa com portas abertas.

A escolha é obviamente subjectiva e desta selecção nasce um “auto retrato” de Lisboa. Os novos espaços são um espelho optimista da cidade, uma cidade em profunda transformação. Na nossa análise, apesar do seu peso histórico, Lisboa procura reinventar-se:

  • Recuperando e descobrindo novos usos para os seus espaços;
  • Criando novos equipamentos que respondem às novas exigências da cidade;
  • Procurando novos centros;
  • Dando resposta à imensa procura turística.

Há uma nova sensibilidade para a reutilização dos espaços e nisso a arquitectura está também a mudar. A simples alteração de uso pode transformar profundamente um espaço sem o destruir. Nos últimos anos, a arquitectura aprendeu a ‘reciclar’ e tornar-se ‘mais invisível’. Aprendeu que tarefas tão invisíveis como tratar um espaço acusticamente ou alterar a sua iluminação, pode regenerar o espaço.

Mas, não havendo bela (cidade) sem senão, tornou-se também inevitável que o nosso mapa contivesse espaços que gostaríamos de não perder; alguns espaços ou edifícios que estão sob ameaça de não resistirem ao impacto das forças do mercado; uma força que anima, constrói, recicla, mas também destrói. Uma transformação da cidade demasiado rápida pode levar a uma perda de lugares, habitantes e, no fim, da identidade. Esta será a parte do mapa onde estarão representados os tesouros que não gostaríamos efémeros.

— Catarina Almada Negreiros e Rita Almada Negreiros

O Evento

Em 2017, regressamos na rentrée cultural com um novo roteiro para ficar a conhecer por dentro e de perto a melhor arquitectura da cidade. Anualmente, cada edição propõe uma nova e cuidadosa selecção de edifícios que dá a conhecer espaços emblemáticos da cidade, as suas histórias e autores. A 6ª edição do Open House Lisboa acontece no Sábado 23 e Domingo 24 de Setembro de 2017. Neste fim-de-semana, estão todos convidados a percorrer edifícios icónicos da cidade bem como projectos recentemente concluídos. Marque já na sua agenda!

© Building Pictures

Como Funciona

O Open House é um evento internacional do qual fazem parte mais de 35 cidades em todo o mundo.

Durante o fim-de-semana, visitas guiadas gratuitas e sem marcação, dão a conhecer de perto e por dentro a melhor arquitectura de Lisboa. Sem reserva antecipada na maioria dos casos, as visitas são por ordem de chegada para dar acesso a um maior número de pessoas e facilitar a fluidez das entradas. As excepções que exigem marcação estão devidamente assinaladas no roteiro, explicando como proceder à reserva que é exclusivamente online.

Os três formatos de visita:

  • Visita Livre — são visitas ao espaço sem acompanhamento dentro do horário indicado;
  • Visita Acompanhada — dá a conhecer o espaço em detalhe através de uma visita acompanhada pela equipa de voluntários presentes no local;
  • Visita Comentada — trata-se de uma visita comentada pelo autor do próprio projecto de arquitectura ou por um especialista convidado.

Para cada edição, contamos com uma entusiasta equipa de voluntários que acolhe os visitantes, fornece um olhar sobre o roteiro, dá sugestões ou faz recomendações adequadas a cada um.

#OPENHOUSELISBOA

Partilhe os momentos, ambientes e detalhes que mais despertaram a sua atenção com o hashtag #openhouselisboa nas redes sociais.

Queremos juntar o olhar e a experiência pessoal dos nossos visitantes aos álbuns de memórias de cada edição. A crescente participação da comunidade OH Lisboa tem permitido enriquecer as reportagens fotográficas, dando a conhecer as múltiplas dimensões desta iniciativa que, todos os anos, marca a agenda cultural lisboeta.

Organização

A Trienal de Arquitectura de Lisboa é uma organização sem fins lucrativos cuja missão é investigar, dinamizar e promover o pensamento e a prática em arquitectura. As edições que a cada três anos realizam um grande fórum de debate, reflexão e divulgação, são complementadas com uma actividade regular que inclui exposições, conferências, workshops, visitas, entre outras iniciativas. Desde 2012, a Trienal promove o Open House Lisboa, num evento que já se tornou uma referência na capital. Em 2012 a Trienal de Arquitectura de Lisboa implementou o conceito na capital e, em 2015, lançou no Porto, Gaia e Matosinhos numa co-produção com a Casa da Arquitectura. Dirigido ao grande público, o evento tem como objectivos e princípios base:

  • aproximar os cidadãos à arquitectura da sua cidade
  • dar a conhecer espaços habitualmente fechados ao público
  • organizar visitas gratuitas envolvendo autores ou especialistas de diferentes áreas

Com sede no Campo de Santa Clara, a Trienal tem desenvolvido a reabilitação do Palácio Sinel de Cordes que acolhe múltiplos eventos e integra um pólo criativo. No Grande Audtiório do CCB, realiza um ciclo de conferências de grandes nomes da arquitectura contemporânea.

Ficha Técnica

Open House Lisboa

Coordenação:
Inês Marques
Assistente de Produção:
Beatriz Caetano Bento
Serviço Educativo:
Filipa Tomaz
Design:
Studio AH-HA
Website:
Bit Basement
Fontes Tipográficas:
Sul Sans & Grifo by R-Typography

Trienal de Arquitectura de Lisboa

Direcção:
José Mateus, Presidente Executivo
Nuno Sampaio, Vice-Presidente
José Manuel dos Santos, Vogal
Maria Dalila Rodrigues, Vogal
Pedro Araújo e Sá, Vogal
Director Adjunto:
Manuel Henriques
Assistente de Direcção:
Helena Soares
Produção:
Isabel Antunes (coordenação)
Inês Marques
Comunicação e Imprensa:
Sara Battesti (coordenação)
Cláudia Duarte
Raquel Guerreiro
Susana Pomba
Financiamento e Parcerias:
Joana Salvado